quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

So the World is Going to End…Again!




Ora parece que o Mundo acaba hoje, o que é uma chatice porque este ano até tinha conseguido despachar as prendas de Natal a tempo. Não há direito!
 
Sobrevivemos ao bug do novo milénio e ao que consta livramo-nos doutro cataclismo qualquer no dia 12 mas parece que desta é mesmo de vez. Hoje tudo acaba!


De onde partiu então este tão propalado fim do mundo? 


A justificação segundo o que dizem está no calendário Maia. E não vos estou a falar da nossa “querida” taróloga nem da abelhinha que fazia furor nos anos 80 mas sim da civilização com o mesmo nome, que estabeleceu raízes no norte da América Central, reputada pelo seu dinamismo cultural e avanço científico, tendo deixado um importante legado pela sua língua escrita, arte, arquitectura, matemática e conhecimentos astronómicos (não, já vos disse, esqueçam a Maya, isso é astrologia!). 


A civilização maia conheceu o seu apogeu entre os anos 250 e 900 d.C. Depois no início do século XVI vieram os “nuestros hermanos” e varreram o que sobrava de uma sociedade que há muito tinha entrado em declínio.


Mas voltando ao tema, que hoje o dia acaba e não há tempo a perder. Segundo os eruditos a data de 21 de Dezembro assinala o fim do ciclo maia "13 Baak t'un", que começou há 5.125 anos, e começa outro, já que os maias faziam uma contagem linear do tempo, mas circular, o que significa que um novo ciclo começa no ponto em que termina o anterior.


Ora aqui é que começa a bronca. Uns “alegados” especialistas na cultura maia juram a pés juntos que deste ciclo não passaremos, isto segundo a interpretação feita a alguns vestígios arqueológicos encontrados. Do outro lado temos os nativos que defendem que o 'oxlajuj Baak t'un' (ou mudança de era maia) "implica realizar mudanças profundas a nível pessoa, familiar e comunitário para [atingir] a verdadeira harmonia e equilíbrio entre os seres humanos e a natureza”, tudo o resto é folclore e propaganda.


O que é certo é que entre a insanidade e a verdade toda uma indústria se desenvolveu à volta desta efeméride. Desde pacotes turísticos especiais a edições limitadas de vinho, desde home-made bunkers a modernas “arcas de Noé” tudo tem servido para fazer dinheiro.


Difundido pelos média, redes sociais, bem como por profetas da desgraça e seitas do último dia, parece ter-se instalado algum nervosismo em certas cabecinhas, ao ponto da própria NASA ter vindo a publico desmentir que o Apocalipse estava por dias.


Para aqueles que acham que não passamos de hoje, deixo-vos as seguintes perguntas:


  • Se o mundo acaba dia 12 como é a questão dos fusos horários? Uns acabam a 12, outros a 11 ou 13?
  • Rebenta tudo de vez (fim do mundo à bruta) ou vai por etapas (fim do mundo mais fofinho)?
  • E qual será o derradeiro cataclismo? A chuva de meteoritos ou a horda de zombies?




Bem pelo sim pelo não é de levar um bom protector e no caso dos mortos-vivos já se sabe…é apontar à cabeça, não tem nada que enganar. O corpo está morto e o cérebro ainda resiste, curiosamente ao contrário de alguns vivos que andam por aí.

E porque há que aproveitar até ao fim aqui vai a hilariante proposta da Diesel - "Get it While You Can".  Um mini-filme de pouco mais de um minuto criado pelos realizadores Jonny & Will nomeados pelos BAFTA awards:

 



Para finalizar (ui a expressão que fui buscar), deixo-vos com o som inconfundível dos REM. Até mais logo…ou não!


 

3 comentários: