sábado, 26 de janeiro de 2013

Estamos Todos F...!


No dia em que muitos de nós começam a sentir os efeitos da maior violação colectiva (para não usar de vernáculo iniciado em “en” e acabado em “dela”) de que há memória na democracia portuguesa*, dei de caras com a “extraordinária” notícia que titulava “Congressista quer condenar aborto como "adulteração de provas" em caso de violação”. 

Ora, depois de uma pequena pesquisa, fiquei a conhecer um pouco melhor a nossa “amiga” Cathrynn “Dumb Ass” Brown. Esta representante e legisladora republicana (imagine-se!) do Estado do Novo México (EUA) apresentou um projecto-lei cuja primeira versão incriminava “quem procurasse obter ou facilitar, persuadir ou coagir outro a proceder a um aborto em caso do feto ser resultado de um crime de natureza sexual ou incesto, com o intuito de destruir evidência do crime”.

Ou seja, este asno, dotado de suprema inteligência, não só catalogava o feto como “prova de crime”, como levaria, no limite, que a própria mulher, vítima de incesto ou violação, caso decidisse abortar, pudesse ser acusada pela prática de um crime de “adulteração, ocultação ou destruição de provas”…punível no Novo México com prisão até 3 anos!

A nossa pacóvia amiga veio muito atrapalhada dizer que tudo não passou de um infeliz equívoco, fruto de uma má redacção do documento, dado que o mesmo havia passado pelo punho de diversas pessoas. 

Ora bem, além de ficarmos a saber que a nossa douta amiga não sabe escrever por si tamanhas alarvidades, constatamos que há toda uma comunidade de seres desta espécie (medo). O “nobre” objectivo desta acção, segundo Cathrynn, não era mais do que ajudar a proteger as mulheres do Estado do Novo México, reforçando a legislação sobre os “criminosos sexuais”. 

Aproveitando a minha hora de almoço fui espreitar o site da Mrs. Brown ( http://cathrynnbrown.com/ ).
Surpresa das surpresas, a nossa “avozinha” preferida conta orgulhosamente com o alto patrocínio da NRA (National Riffle Association) e do movimento “pró-vida” (adoro sempre este termo) Right to Life. Por esta é que não esperava, apanhou-me desprevenido…bandida.

No site / blog consta já a rectificação ao projecto-lei (vide sublinhado):

“AN ACT
RELATING TO CRIMINAL LAW; SPECIFYING THAT A PERSON WHO COMMITS CRIMINAL SEXUAL PENETRATION OR INCEST AND WHO PROCURES AN ABORTION OF A FETUS RESULTING FROM THE CRIME WITH THE INTENT TO DESTROY EVIDENCE OF THE CRIME IS GUILTY OF TAMPERING WITH EVIDENCE; PROHIBITING PROSECUTION OF THE MOTHER OF THE FETUS.

(…)

Tampering with evidence shall include a person committing criminal sexual penetration or incest procuring or facilitating an abortion, or compelling or coercing another to obtain an abortion, of a fetus that is the result of the person's act of criminal sexual penetration or incest with the intent to destroy evidence of the crime. In no circumstance shall the mother of the fetus be charged under this subsection.”

Pronto, assim está bem, tudo esclarecido. Agora “os malandros “que depois de violarem uma mulher se atrevam a induzi-la, forçá-la ou coagi-la ao aborto estarão a cometer um crime de “adulteração de provas”. Agora é que vão ser elas, ui, já estou a sentir o medinho destes predadores sexuais. Be afraid, be very afraid! Brown is coming to get you!

Santa idiotice, que raio de espécime é esta mulher… Que atroz imbecilidade a assiste… Ou será isto na verdade uma encapuzada desculpa depois de falhada nova ofensiva republicana sobre as mulheres vítimas destes hediondos crimes que “se atrevem” a decidir abortar?

Quanto a vocês não sei…Eu vou pela segunda!

Só vos tenho a dizer…Quer cá, quer lá, parece-me é que estamos todos f...!

(*Obs: já agora alguém me explique por favor, como se eu fosse muito estúpido, como é que o sucessivo e brutal aumento da carga fiscal, com a inevitável contracção do investimento, consumo e poupança, poderá gerar mais receitas quando, afinal, a tributação incide sobre esses mesmos rendimentos e consumo?!).

Sem comentários:

Publicar um comentário