domingo, 21 de outubro de 2012

As Crianças e os Telemóveis



Falo-vos agora de uma das coias que mais me intriga e irrita simultaneamente...Alguém me explica porque raio precisa uma criança de um telemóvel?

Não vale a pena estarmos com rodeios, ninguém no seu perfeito juízo ousara negar que a tecnologia revolucionou as nossas vidas, o próprio Mundo. As crianças de hoje são totalmente diferentes das da nossa geração. A rua deu lugar à "segurança" das 4 paredes como espaço de eleição. Os jogos e os brinquedos tradicionais perderam espaço para a internet e os videojogos.

Se já me faz alguma confusão ver miúdos de 10/11 anos com um telemóvel, o que dizer quando se trata de crianças bem mais novas?

Por certo muitos virão dizer-me que é por uma questão de segurança..."Assim sei sempre onde ele/ela está...se precisar de alguma coisa pode sempre ligar-me". Mas parem e pensem por um momento...têm a certeza que estão a dar mais segurança aos vossos filhos? De certeza? Bem eu diria que estão a abrir portas a algo bem mais perigoso. O quê? E que tal a extensa rede de pedófilos, predadores e tarados que anda por aí?

É que os telemóveis, sobretudo os de última geração (sim que os paizinhos não querem que os filhotes passem vergonha na escola) são um verdadeiro golden ticket para estas perturbadas mentes. É como se fosse "Natal" todos os dias.

Não digo que em casos excepcionais não se possa justificar, nem me caberá dizer qual a idade mínima para se ter um telemóvel mas uma coisa é certa, estes facilitadores de comunicação móveis são dados de forma cada vez mais precoce e sem ser acompanhados de qualquer noção de responsabilidade a quem deles beneficia. Por outro lado, não nos esqueçamos que ainda está por provar se as radiações emitidas pelos telemóveis não poderão ser responsáveis por problemas neurológicos, sobretudo em crianças e jovens em desenvolvimento.

Querem proteger os vossos filhos? Dêem-lhes atenção, alertem-nos para os perigos que os rodeiam, ensinem-nos a evitar situações de risco. Bem, em alternativa podem-lhes sempre por uma sineta ou um guizo.

Sem comentários:

Publicar um comentário