sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Elevador - A Cápsula Social

 

Os elevadores são laboratórios privilegiados para o estudo do comportamento humano. Estas cápsulas do sobe e desce são palco de uma vasta panóplia de comportamentos e emoções. Um filão que bem explorado seria um verdadeiro festim para antropólogos, sociólogos e psicólogos…O retrato fidedigno do Homem urbano do séc. XXI. Houvera uma câmara de filmar em cada e…Hold on, wait a second...You dirty, dirty minds… Não, não estou a pensar em certos comportamentos mais “acalorados” associados a súbitas e inesperadas paragens do elevador. Claro que lhe reconheço o potencial concretizador de determinadas fantasias…que atire a primeira pedra quem nunca pecou! Mas, e voltando ao tema, não era essa a minha intenção. Estou sobretudo a pensar em situações como as seguintes:

  • A incontrolável vontade de rir que nos parece querer afectar quando estamos no elevador com um estranho;

  • A inesperada meditação contemplativa de algum ponto no tecto ou dos sapatos durante o trajecto;

  • O súbito ataque de tosse;

  • A miúda do decote generoso que não passa despercebida quer a homens ou mulheres;

  • O Sr. ou Sra. Obesa que nos faz instintivamente olhar para a placa com o limite de peso e proceder a um rápido exercício de cálculo enquanto vamos temendo pela vida …”Será que está gaita aguenta?!”;

  • O autêntico desespero e frustração que nos toma quando estamos atrasados para chegar a algum lado e o chato do vizinho mais parece que decidiu fazer mudanças.

Curioso é observar quando o elevador bloqueia a estranha onda de solidariedade que se parecer formar entre aqueles que momentos antes eram perfeitos desconhecidos. Quem não sabe não estará aqui a resposta para a resolução de muitos conflitos e da própria crise económica! Era juntar nestes cubículos durante algumas horas os principais líderes mundiais e sairiam por certo abraçados a cantar “Friends will be Friends…” (pronto, esqueçam a Merkel, quanto a essa não há nada a fazer...).

O elevador tem ainda outras estranhas valências, tais como:
  • A de jukebox (a deprimente musiquinha ambiente);
  • A cabine de sauna (meu deus, o calor!);
  • A câmara de tortura (quando a pessoa que nos precede ou acompanha parece ter abusado ou, ainda pior, ter-se completamente esquecido do desodorizante).

Para finalizar gostava de esclarecer os meus colegas do longínquo 8º ano (já lá vão quase 20…) que cheguei mesmo atrasado à aula de Francês porque fiquei preso no raio do elevador. É que na altura ninguém me levou a sério, nem a própria professora! A injustiça!

E vocês, caros leitores, que histórias passadas no elevador têm para contar? Aceita-se com bolinha vermelha depois das 22!

Sem comentários:

Publicar um comentário